TV RioSul divulga a exposição no Forte

A equipe da TV Rio Sul (afiliada da Rede Globo) esteve hoje pela manhã no Museu Forte Defensor Perpétuo para registrar a exposição Os Nomes da Ciranda.

A repórter Denise Rocha conversou com o cirandeiro Seu Amélio e os pesquisadores Pablo Piedade, Antonia Moura e Pedro MacDowell.

Você pode ver a matéria clicando aqui.

 

Anúncios

Um registro fotográfico da abertura da exposição

A abertura da exposição Os Nomes da Ciranda, no dia 28 de setembro, coincidiu com a realização na cidade do Paraty em Foco, um dos maiores festivais internacionais de fotografia no Brasil. Alguns fotógrafos participantes do evento prestigiaram nossa programação e contribuíram com o registro das atividades com belas fotos. Agradecemos à fotógrafa Joana França, dedicada à fotografia de arquitetura e cidades, pelo envio dessas imagens.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Filme, café caiçara e ciranda na abertura da exposição Os Nomes da Ciranda

A exposição de fotografias e objetos conta com acervos cedidos por familiares

A abertura da exposição Os Nomes da Ciranda, na tarde da última sexta-feira, contou com a participação de mestres como Seu Lourenço, Seu Verino, Adail e Zé Malvão.

No salão da exposição, foi exibido “No tempo do chiba”, minidocumentário produzido pela equipe do projeto Paraty Ciranda. O filme conta com trechos de entrevistados relembrando os antigos bailes que animavam Paraty.

No sábado, foi exibido “Cantando verso”, que ilustra como a arte das rimas de improviso é parte da cultura dos cirandeiros.

Após a exibição dos vídeos, os mestres participaram de uma roda de conversa e “causos”, e logo depois armaram uma ciranda, que animou a praça de armas do Forte.

Uma mesa com quitutes típicos — biju, manuê de bacia, bolo de milho, cuscuz, café adoçado com caldo de cana — fez a alegria dos visitantes.

A exposição é o principal produto do Projeto Paraty Ciranda, que conta com apoio do Ibram em Paraty. O projeto, que envolve pesquisa e mapeamento da ciranda no município, foi realizado pelo Instituto Colibri e patrocinado pela Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro.

Forte abre exposição nesta sexta com presença de mestres

A exposição Os Nomes da Ciranda, o principal produto do projeto Paraty Ciranda, estará aberta ao público a partir desta sexta-feira (28) no salão principal do Museu Forte Defensor Perpétuo. Na abertura, será exibido o primeiro dos quatro minidocumentários realizados pela equipe do projeto, “No Tempo do Chiba”, com depoimentos dos mestres cirandeiros sobre os antigos bailes na cidade. Logo depois, um bate-papo e uma cantoria com os mestres animam a tarde (confira a programação abaixo).

A exposição homenageia a música tradicional de Paraty e os nomes que fizeram sua história. Vídeos e fotos inéditos, infografias, painéis, músicas, instrumentos e objetos pessoais ficarão até janeiro no Forte para trazer ao público um pouco do espírito da ciranda.

Croqui da aderecista Fernanda Macedo para o salão principal

Aproveitamos para abrir este canal de comunicação com o público para que todas as pessoas ligadas de alguma maneira à memória da ciranda em Paraty ajudem a enriquecer a pesquisa com acervos, histórias e informações. Você pode procurar a equipe do Museu Forte Defensor Perpétuo ou contactar-nos por este blog.

Nossa equipe tem o prazer de convidar toda a comunidade de Paraty e visitantes para participar da programação de abertura, que terá início às 14h30 e continuará ainda no sábado. O evento é parte das atividades da 6ª Primavera de Museus, organizada pelo Instituto Brasileiro de Museus/Ibram, que este ano terá como tema “A função social dos museus”.

Confira a programação para este fim-de-semana:

DIA 28/09 – sexta-feira

14h30 | Apresentação do projeto

15h00 | Exibição do minidocumentário No Tempo do Chiba, produzido pela equipe do Projeto Paraty Ciranda, sobre os velhos bailes de chiba

15h30 | Café na Roda: “Limpa banco: o chiba na roça e a ciranda na cidade”, bate-papo temático com a participação dos cirandeiros Seu Lourenço, Seu Amélio, Seu Bento, Pedrinho e Seu Verino, acompanhado de café e quitutes caiçaras

16h30 | Ciranda com o grupo Os Coroas Cirandeiros

Dia 29/09 – Sábado

14h30 | Exibição do minidocumentário Cantando Versos, produzido pela equipe do Projeto Paraty Ciranda, sobre a arte da criação de versos e do improviso dos mestres cirandeiros

15h | Café na Roda: “Os Versos – Conversa de improvisação”, bate-papo temático com os cirandeiros Seu Amélio, Julinho e Zé Malvão, acompanhado de café e quitutes caiçaras

16h30 | Ciranda com o grupo Os Caiçaras

Foto do acervo familiar de Seu Zezinho da Ramira (1º à esquerda): uma das muitas imagens históricas da exposição que fica no Forte até janeiro de 2013

Equipe apresenta o projeto no encontro Roda de Memórias

Na tarde da última quarta-feira, a equipe do projeto marcou presença no encontro Roda de Memórias, na sede do Escritório Técnico Costa Verde/Iphan em Paraty. O evento contou com representantes do poder público e de diversas entidades ligadas à Cultura na cidade.

No evento, André Bazzanela, técnico do Iphan, apresentou o projeto da Casa do Patrimônio em Paraty, um projeto pedagógico e de educação patrimonial com a proposta de estabelecer novas formas de relacionamento do Iphan com a sociedade.

A equipe do Projeto Paraty Ciranda apresentou sua pesquisa e o mapeamento das histórias de cirandeiros e seus bailes da roça e na cidade. Foram apresentados o banco de dados, nosso blog e  o primeiro vídeo do projeto, com o Seu Ditinho.

O encontro teve também a apresentação de entrevistas do documentário Memórias de Paraty, de Nena Gama e Izabel Costa Cermelli, que conta com depoimentos de antigos moradores da cidade.

Confira aqui a apresentação do projeto.